sábado, 26 de maio de 2012

Polainas em tricô, para bebê de colo

Nesta pequena peça pratiquei carreiras encurtadas (short rows), picôs na lateral (picot edge) e costura invisível (grafting). Veja links no final do post.

Não gosto quando as pessoas pegam os bebezinhos no colo e a calça do "tadinho" encolhe até em cima, deixando exposta perninha. Ui, nesse frio! - Parece que só eu me incomodo.
Não sei se funciona muito na prática, mas...
O lacinho é pra ajustar no tornozelo e evitar de subir.
A parte larguinha abraça a  panturrilha e
o estreito de cima ajuda a manter a polaina no lugar.

O que deu esse formato de "bujãozinho" foram as carreiras encurtadas. Faço como aprendi com os vídeos da Garnstudio.
Fiz no sentido do comprimento, alternando cordões de tricô e ponto meia, para formar os gominhos. Na foto acima, fazendo a costura invisível, unindo a última carr. em meia (sem arrematar), com a primeira em tricô feita sobre montagem provisória e recuperados os pontinhos.
Não aparece costura.
 Agora parece que peguei o jeito! Fiz esta também no sapatinho aqui. 
É também o acabamento do tricô tubular que uso muito - arremate tubular fica mais elástico. Já mostrei neste post.
Para fazer a costura invisível precisamos fazer a montagem provisória de pontos no início, com cor contrastante para ficar fácil recuperar os pontos na agulha.
MONTAGEM PROVISÓRIA
1- Com a lã de cor contrastante montar o número de pontos desejados e trabalhar uma carreira em meia.
2- Com a lã escolhida para o trabalho, executar a carreira seguinte, trabalhando todos os pontos em tricô.
3- Segue o trabalho normalmente e não arremata os pontos da agulha.
4- Com outra agulha, retoma os pontos da carr. inicial.
5- Ficamos com 2 agulhas de trico. Uma que terminou o trabalho; outra que iniciou o trabalho.
6- Unimos,usando agulha de costura.
Material usado: lã Keamor e agulha 3mm
montei 30 pontos e trabalhei até a parte central (gordinha) estar com 20cm de diâmetro.

Links:
Carreiras encurtadas em meia. short rows with wrap (dá um abraço no ponto e volta a carr.)
Tricô com picô na lateral ( não fiz a laçada).
Arremate do tricô tubular - prefiro usar agulha de costura. (não usado nesta peça. Só porque a costura é a mesma).
Costura invisível (grafting) -  Regina Rogers  faz: "meia, tricô-tricô,meia". Note que no vídeo arremate do trico tubular (que é a mesma costura) é feito ao contrário: "tricô, meia-meia, tricô". O resultado é o mesmo.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Mini crochê

Aí está o trabalho, de ontem, da tia Jô.
Uma menininha linda pediu, se a tia que fazia essas coisas de artesanato, não faria umas florzinhas pra ela fazer colagem na aula de artes.
So cute!
"Estávamos passeando pelo shopping e mostrei um botão numa vitrine. - Desse tamanho? R.: pode ser menor."
E aí estão. Com a famosa moedinha pra servir de comparação.
Menor que consegui fazer. Usei a pontinha da agulha 1,oomm e fios cléa. Assim:
Flor = o laço mágico e, no próprio, 1corr;  *1mpa;1pa;1mpa;1pbx*. *a* 5vezes.
Miolinho = um pedaço duplo de fio amarelo, dá 2 nós no centro, com auxílio de um palito, lambuza com um tiquinho de cola para tecido os lados do nó. Puxa as pontas através do furinho do laço mágico, com o auxilio da agulha de crochê, ajeitando o miolinho e retira o algum excesso de cola que tenha ficado sobre a florzinha.
Atrás da florzinha ficam as seguintes pontinhas de fios: 1 início da florzinha, 1 final da florzinha, 4 pontinhas do amarelo (=6). Corta bem rente, mesmo! E lambuza com cola também. Coloca sobre um guardanapo e aguarda secar a cola (eu fiz a noite ejá manuseei de manhã).

Se ela vai usar, não sei. Sei que vai lembrar que a tia a ama a ponto de fazer mini crochê quando ela pede.

domingo, 6 de maio de 2012

Quadradinho em crochê

Chamo de square estrela porque, após a união de 4 peças, forma uma estrela de quatro pontas no centro.
Aí na foto estão unidos por alfinetes, a fim de mostrar o efeito.
Este post serve pra contar o meu trauma no assunto crochê. Não gosto de unir squares!!!
Aqui no blog só tem um trabalho com união de quadradinhos (tapete flor catavento) por enquanto.
Bom, fiz estes quando tinha 16 anos. Achava que era  crocheteira e queria fazer uma colcha.
A princípio de casal.
Mudei a idéia pra solteiro quando, na minha ânsia de adolescente, pareceu que aquele projeto não tinha fim.  E aí parei de vez. Motivos que eu penso que justifica são:

  1.  era dependente economicamente. Minha mãe tinha que me sustentar no doce vício das tramas. E a gente era pobre; era sacrifício pra ela na época. 
  2. Enjoei do fio. Aqui o Cléia 1000. Não tínhamos muitas opções naquele tempo.
  3. A cor. Como os recursos eram poucos, meus trabalhos sempre eram feitos com o que achava pela frente. Desmanchava um velho pra fazer um novo e assim ia.  O primeiro novelo desse azul não sei como caiu nas minhas mãos. Não lembro se fui eu  quem escolheu a cor, só sei que não aguentava mais ver azul na frente.
  4. Como não comprava o lote necessário, o tom alterava a cada novelo. (Lição: sempre comprar o lote necessário. Nem que sobre e vá fazendo estoque e bagunça no armário. Que é o que estou organizando agora).
Resumindo, 43 quadradinhos inúteis (e engomadinhos) guardados por 30 anos.
Mais recentemente pensei em fazer almofadas, almofadões, mas só de pensar em ter que uní-los, me dava agonia.
Dá pra brincar! O que há de errado com a foto acima?
Eu mesma respondo:
  1. O primeiro à esquerda e em cima é MAIOR que os outros.
  2. O terceiro inferior e à direita é MAIS ESCURO que os outros.
  3. O do meio e embaixo, tem as 2 últimas carr. (e este parêntesis serve pra eu filosofar: que cabeça eu tinha aos 16?) são de um tom MAIS CLARO (mesmo tom do segundo quadradinho de cima).
  • ÚNICA coisa certa: aquele montinho lá no canto aguardando os outros pra irem juntinhos pro lixo.
Registro aqui, então, pra posteridade os quadrinhos com ponto pipoca, tão bonintinhos e que é o meu mico no crochê.
Já "choraminguei" demais. Fim da novela.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...